Arquivo: Crônicas

Crônicas carioca aterrisa em SP

post por Letícia Novaes

Crônicas carioca aterrisa em SP

Crônicas, Letícia Novaes

Quando o interfone tocou 13:55, e a voz do porteiro disse que o carro havia chegado, minha temperatura passou a 37º C. Explico: era meu primeiro dia como moradora de São Paulo e eu iria gravar um vídeo pra Trip Tv. A produção disse que um carro me pegaria às 14h. Como capricorniana com ascendente em virgem e lua em touro, já estava preparada desde 13h (oh, uau, como você é assim, Letícia? – Mercúrio e vênus em aquário ajudam, mas sou bastante chatinha nas questões cotidianas, quem convive comigo sabe).
continue lendo

Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone

Crônicas pra fechar

post por Letícia Novaes

Crônicas pra fechar

Crônicas, Letícia Novaes

Não sei quantas vezes eu vejo por aí: “20 coisas para se fazer antes dos 20 anos” ou “30 lugares para se ir antes dos 30 anos” e claro que as matérias param por aí, pois escrever “40 anos” já não consta na ideia de publicidade das agências moderninhas, metidas à divertidas e descontraídas.
continue lendo

Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone

Crônicas cabelo, a saga

post por Letícia Novaes

Crônicas cabelo, a saga

Crônicas, Letícia Novaes

Papo de 13 anos que já vivia com o mesmo cabelo. Ou mais. É tanto tempo que perco a conta. Nasci com juba, minha bisavó negra, minha avó morena, meu pai, idem. Infelizmente, vim branquela (não há maquiagem que seja melhor que o sol, perdão dermatologistas, me prefiro queimadinha), foi meu irmão do meio que pegou a cor boa da família, mas o cabelo veio com tudo: cheio, cheio, cheio.
continue lendo

Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone

Crônicas elementar, meu caro

post por Letícia Novaes

Crônicas elementar, meu caro

Crônicas, Letícia Novaes

Não tenho quase nada de Água no meu mapa. Mas se passo duas semanas sem nadar, vejo minha pele tremer, tal qual peixe fora d’água, as guelras abrindo e fechando numa velocidade louca. Não tenho quase nada de água no meu mapa, mas se passo um dia sem cantarolar ou escrever, uma insônia ensandecida me toma. Tais atividades, música e literatura, são símbolos que estão predominantemente ligadas ao elemento água.
continue lendo

Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone

Crônicas adeus, mundo [por fran bittencourt]

post por Cantão

Crônicas adeus, mundo [por fran bittencourt]

Crônicas, Convidados

Entrei no primeiro táxi que apareceu. Expliquei que precisava chegar no Belas Artes em 15 minutos. O taxista riu. Contei para ele que meu dia tinha sido muito difícil porque mercúrio está retrógrado, a lua fora de curso e ver esse filme era minha única chance de ter esperança outra vez.
continue lendo

Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone
FacebookInstagramVimeoPinterestTwitter

Direto do Insta

  • Da cor do céu e do mar. Com tucanos pra voar! ⚡️ #ViverBem

Assine nossa news

Arquivo