Moda Enxergar além do olhar

post por Cantão

Moda Enxergar além do olhar

Moda, Especiais

postcosturas

Afeto também é sinônimo de acessibilidade. Por isso, criamos uma linha especial com peças que carregam mensagens em braille e toda a sensibilidade do projeto Costuras do Imaginário, que tanto admiramos. Convidamos a ativista Isa Meirelles para ser a porta-voz dessa história e contar mais sobre a importância dessa parceria. Confere só o depoimento dela:

Enxergar o outro é revolucionário. Vivemos em um tempo em que a diversidade e inclusão viraram protagonistas de falas sociais, corporativas, ativistas, familiares, educacionais — e estão por toda parte. Isso é um avanço e tanto. Mas continuamos com medo de enxergar a diversidade humana do outro; só temos olhos para aquilo que escolhemos ver.

Tudo aquilo que não é igual a nós, nomeamos como diferente. Em algum momento da história, olhamos para os corpos que possuíam diferenças funcionais e estéticas do padrão e os nomeamos “deficientes”. Em algum momento, selecionamos a visão para ser a protagonista entre os sentidos, ficando responsável por comunicar mais de 80% dos estímulos externos a nós. E em algum lugar, perdemos nossa capacidade de nos comunicar sem a visão.

Meu momento de despertar dessa cegueira foi assim que terminei a faculdade de comunicação social em 2016, quando finalmente percebi a existência de corpos com deficiência. E logo eu, que cresci enxergando o mundo pelo viés do olho esquerdo. Nasci com glaucoma congênito nos dois olhos e, após várias cirurgias e transplantes, perdi a visão do olho esquerdo com menos de 4 anos. Cresci enxergando o mundo pela perspectiva de um olho. Sabe aquela expressão, “os olhos são as janelas da alma”? Então, pra mim sempre foi uma apenas uma janela, e isso nunca fez diferença até o dia em que percebi que aos olhos dos outros, fazia.

postcosturas2

Sempre fui o centro das atenções por ter uma estética de olhos diferente. Passar despercebida nos lugares? Impossível, afinal de contas, não faz parte do padrão ter um olho azul esbranquiçado de um lado e um verde do outro. Demorei mais de 20 anos para entender que não precisava ser assim, que a deficiência não precisa chamar atenção. Ela é natural, diversa e precisa ser vista com outros olhos.

Com essa inquietude, encontrei na moda um lugar de expressão, justamente o lugar mais inacessível aos olhos das pessoas com deficiência visual por ser povoado por muitas, infinitas imagens. Como incluir as outras formas de enxergar a moda além do olhar? Esse passou a ser o guia da minha jornada como comunicadora, ativista e modelo de moda inclusiva.

Da união entre acessibilidade e moda, nasceu a moda inclusiva como possibilidade de expressão da pluralidade humana. Quando me aproximei desse movimento, descobri nele a possibilidade de criar acessos e aproximações entre as pessoas e revelar belezas escondidas aos olhos. Comecei a buscar formas acessíveis de linguagem para garantir que todos tivessem direito à moda. E encontrei nos outros sentidos humanos a resposta.

Foi assim com a #FotoQueFala, uma mistura dos sentidos, a voz que humaniza o momento capturado e que possibilita que mais pessoas tenham acesso à ela. Essa é uma hashtag que criei como forma de incluir pessoas com deficiência visual ao universo imagético que domina nossa sociedade e onde a moda se expressa. É também uma tentativa de nos estimular a usar outros sentidos como formas de expressão. As imagens se ampliam com o afeto transmitido na voz.

#PraCegoVer também é uma iniciativa de enxergar com outros sentidos, ver as imagens com as palavras. A campanha foi criada pela educadora Patrícia Braille para incentivar as pessoas nas redes sociais a descreverem suas fotos para que todos tenham acesso às imagens. Descrever é um ato revolucionário para a moda inclusiva, é a possibilidade de acesso a um inesgotável mundo de texturas, estilos, cores e belezas para aqueles que não enxergam.

postcosturas3

Unir imagem ao som e ao texto é explorar novas experiências na moda por meio dos sentidos. Quando transformamos a moda em uma experiência multissensorial estamos falando em inclusão: ela é inclusiva quando permitimos a participação de outros sentidos além da visão. Se juntarmos o tato com a voz e a palavra, somos capazes de nos relacionar com a moda de uma forma totalmente nova. Se juntarmos o braille às roupas, criamos moda com sentido.

E ela tem vários sentidos. Essa é a mensagem que fica pra mim diante da coleção especial Cantão + Costuras do Imaginário, que traz mensagens em braille. Uma iniciativa que se propõe a sentir a roupa pelo caminhar dos dedos no tecido e descobrir a beleza além do olhar. Trazer o braille para a moda é escolher enxergar o outro. E isso é o que realmente importa para mim.

***

Isa Meirelles acredita na inclusão da diversidade humana pela comunicação. Atua como modelo, palestrante e curadora de conteúdo em linguagem inclusiva, utilizando as mídias sociais e o blog Novas Narrativas para a divulgação de estratégias para o fim da invisibilidade das deficiências e busca pela representatividade da diversidade nas narrativas midiáticas.

Ao garantir uma peça desta linha, você contribui com uma doação ao Instituto Lar das Cegas, em Belo Horizonte (MG), promovendo a autonomia de mulheres com cegueira ou deficiência visual.

Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone
FacebookInstagramVimeoPinterestTwitter

Direto do Insta

  • Salopete jeans é praticidade e versatilidade em uma peça só. Garanta a sua nas lojas e no link da bio!

Assine nossa news

Arquivo