post-fantasiascarnaval_cantao_make

Enquanto a gente aquece os tamborins pro Carnaval, fica a dúvida: como fazer a maquiagem perfeita para curtir os blocos? Afinal, o make é quase um acessório a mais no look da folia! A gente te ensina a copiar a beleza cheia de brilho das nossas meninas. Vem aprender:

post-frida-01

Você vai precisar de: base (ou BB Cream), rímel, blush pêssego, sombra dourada com glitter, cílios postiços, strass e batom vermelho.

O primeiro passo na maquiagem da Vavá Leite, a nossa Frida, é a preparação da pele: vale apostar no BB Cream, produto que hidrata, protege do sol e funciona como uma base. Espalhe uma pequena camada da base com os dedos, dando leves batidinhas para manter a aparência bem natural.

post-frida-02

E já que artista mexicana é conhecida por suas sobrancelhas bem marcadas, é preciso caprichar: com o pincel do rímel penteie (com muito cuidado!) a sobrancelha para cima. Depois, com um pincel molhado ou com a pontinha dos dedos, espalhe uma sombra com glitter (nós usamos um tom dourado) pelo cantinho da pálpebra e rente aos cílios de baixo.

post-frida-03

Os cílios postiços também ajudam a marcar o olhar. Se quiser, aplique alguns strass coloridos para dar uma bossa a mais! Finalize com um blush bem suave e um batom vermelho de longa duração. Pronta para curtir o espetáculo mais bonito do mundo!

post-mariabonita-01

Você vai precisar de: base (ou BB Cream), primer, rímel, pó bronzeador (ou sombra cobre opaca), cílios postiços, delineador preto, batom nude, strass e fita crepe.

A make da Julia Sorella pediu uma pele bem bronzeada para ficar como a nossa Maria Bonita! Para aguentar o calor e não derreter, vale aplicar um primer para a maquiagem fixar bem. Em seguida, prepare a pele com uma base com protetor solar. Aí vem o truque: com a ajuda de uma fita crepe, corte retângulos fininhos e cole os três no canto externo dos olhos.

post-mariabonita-02

Com a ajuda de um pincel de blush, espalhe o pó bronzeador (ou uma sombra cobre que não seja translúcida) nos olhos, têmporas e testa, até perto da raiz do cabelo. Depois, retire a fita crepe para criar esse efeito incrível! Depois, use um delineador preto nos olhos, fazendo o famoso gatinho. Para os lábios, o batom nude dá aquela apagadinha charmosa. Você também pode aplicar strass na testa para ficar ainda mais arretada!

post-carmemmiranda-01

Você vai precisar de: base (ou BB Cream), rímel, sombra dourada com glitter, cílios postiços, strass de cores diferentes e batom vermelho.

Chica, chica boom! O visual da Betina Sanches, nossa Carmem Miranda, é bem parecido com o da Frida – só que com mais brilho! Aposte no combo infalível batom vermelho e cílios postiços. Depois se joga no strass (de diferentes formatos e cores) e na sombra com glitter, seguindo as dicas lá em cima.

post-carmemmiranda-02

Afinal, se é Carnaval, é para sorrir e brilhar! :D

capa_blog_post-webserie_tie_2-episo_150123

No episódio 1 você conferiu que em Esmeraldas se ouve de tudo um pouco – arranjos de cordas, metais, guitarras, percussão.

Já no episódio 2, o destaque fica para duas faixas incríveis: “Urso” e “All Around You”. Dá o play para conferir:

“Urso” tem o ritmo mais pop e dançante do disco. Uma música agridoce, que faz um paralelo entre a doçura da melodia de um musical infantil, mas com uma letra mais densa e sentimental. Impossível não cantar junto!

Outro destaque vai para a última faixa do disco,“All Around You”, parceria que envolve Tiê, Tim Bernardes, André Whoong e David Byrne, eterno ex-líder do Talking Heads.
A música é um dos pontos altos do disco e tem um quê tropicalista que gruda na cabeça e não sai mais!

Sem se esquecer dos temas relacionados ao coração, em Esmeraldas, Tiê canta sobre ela mesma: sobre bloqueio criativo, desencontros, dor de cotovelo, amor de mãe e saudades em letras e melodias lindas, que retratam uma pessoa rodeada de amor, mas também um pouquinho sem paciência.

Quem aí se identifica? Aguarde que vem mais episódios por aí! ;)

Ah, e se você é Curitiba, aproveita: dia 28/01 às 22h vai rolar show de lançamento do Esmeraldas com abertura de André Whoong no Pub John Bull (R. Mateus Leme, 2204 – Centro Cívico)

Produção do Bando Studio

selo_post_capa-chapada01

Há um tempo atrás, logo quando voltei de uma experiência de 1 ano na Europa, fiz uma promessa: chega de viajar pra fora, vou conhecer o meu país! Desde então, minha lista de paraísos só vem crescendo e neste réveillon escolhi um que há tempos queria desbravar: a Chapada dos Veadeiros, em Goiás.

selo_post_capa-chapada03-estrada

Já conhecia a Chapada Diamantina (que é outro paraíso) e estava louca pra entender por que todos me diziam que eu ia amar a terra dos cristais. Como meu namorado ama natureza, e eu adoro trilhas e cachoeiras, a escolha não foi muito difícil…

Partimos do Rio de Janeiro no dia 25 de dezembro pra tentar pegar alguns dias sossegados, sem muita muvuca de férias e deu certo! São aproximadamente 3h de carro de Brasília até São Jorge – uma reta de asfalto novinho com uma paisagem de horizontes verdes infinitos!

selo_post_capa-chapada02-jdmaitreya

Passamos pela famosa cidade de Alto Paraíso, point dos extraterrestres (e de muitos esotéricos terrestres), e no lindo caminho até São Jorge (25 min de carro), passamos pelo visual incrível do Jardim de Maitreya e por fazendas particulares, onde estão algumas das muitas cachoeiras lindas da região.

selo_post_capa-chapada03

Quem fizer esse caminho tem que passar no Rancho do Waldomiro, restaurante rústico de beira de estrada, que serve a tradicional matula e produz licores artesanais. A matula é um prato típico dos boiadeiros que levavam o gado da região para os abatedouros de Minas Gerais e interior de São Paulo.

selo_post_capa-chapada04-pousada

Chegando em São Jorge, o clima de interior se fez presente pela estrada de terra e pela simplicidade da vila – que ainda estava tranquila. Ficamos na Pousada Baguá (uma das tops de lá), super charmosa com seus bangalôs com vista para o Parque Nacional. O primeiro dia foi só relax e à noite fomos jantar em Alto Paraíso com um casal de amigos. Por lá comemos uma das melhores pizzas da vida no restaurante La Vita é Bella.

selo_post_capa-chapada05-cachumacaquinhos

No segundo dia, resolvemos começar por roteiros menos visitados e nossa escolha foi a Cachoeira dos Macaquinhos. A distância de São Jorge é de 50km e é bom ir com carro 4×4. A trilha é íngreme, mas vale muito a pena por que tem 5 cachoeiras maravilhosas pra você se energizar!

selo_post_capa-chapada06-cachuloquinhas

No terceiro dia, primeiro fomos pra Cachoeira das Loquinhas, que fica em Alto Paraíso. É uma ótima pedida se você quer fazer 2 programas em 1 dia. A é trilha bem fácil e agradável, passando por 11 poços de água verde esmeralda até chegar na Cachoeira do Pagé.

post_chapada06-valedalua

Em seguida, visitamos o famoso e mágico Vale da Lua, com seu leito de pedras em formatos arredondados, que lembra as crateras da Lua. A trilha é super tranquila e tem um visual lindo pros vales da Chapada. Quem for na época de cheia (verão) tem que ficar ligado em tromba d’água!

A programação noturna de São Jorge é uma só: jantar num dos restaurantes da vila e depois passear pelos barzinhos, beber uma gelada, ouvindo da rua vários hits de MPB e forró ao vivo. Indico a Pizzaria Lua de São Jorge e a Santo Cerrado Risoteria (charmosa, boa comida, boa música e vista linda! Sem falar no risoto de carne seca ou o de funghi…pedidas certeiras).

post_chapada-07-segredo-touros

No quarto dia, escolhemos uma das trilhas mais longas (16km), mas, sem dúvidas, o destino foi o mais bonito da viagem: Cachoeira do Segredo. É indicado contratar um guia para esta trilha, pois atravessamos 13 vezes um rio na ida e outras 13 na volta, passando por caminhos não são lá muito bem sinalizados…

Depois de 2h30 de caminhada pela floresta foi emocionante dar de cara com a majestosa queda da cachoeira! Tinham poucas pessoas lá e por isso foi muito especial ter aquele paraíso só pra gente! Dizem que dentro da cachoeira tem um segredo… fica a dica!

post-chapada08-cachucouros

No quinto dia, conhecemos a Catarata dos Couros, vale ir de 4×4, não precisa de guia, a é trilha fácil (por isso, tinha muita gente). A sequência de 4 quedas no Rio Couros é linda e tem espaço pra todo mundo nadar à vontade. Essa cachu me marcou, por que foi a única onde vi uma cobra bem perto (quem me conhece sabe do pânico!), mas é só não mexer com elas que nada acontece.

post-chapada09-janelaabismo

No sexto dia, fizemos uma trilha que pra mim foi a mais difícil: Janela e Abismo. Dica de ouro: não vá com o sol forte e aproveite bastante a piscininha do abismo – é a única água que tem pra refrescar e a trilha é uma subida punk com sol na nuca! Mas não se desanime por que a vista da Janela é surreal! Depois de admirar (e desejar) aquelas duas cachus ali do outro lado do vale, nosso próximo dia já estava definido.

post_capa-cachu-arcoiris

Completamos uma semana de viagem e só então resolvemos fazer uma trilha do Parque Nacional (roteiro básico de quem vai pra Chapada). O Parque oferece duas trilhas: Canyons 1 e 2, Carioquinhas e a dos Saltos, e depois Corredeiras. Escolhemos a trilha dos Saltos que nos levou à duas cachus, uma de 180m (que não dá para mergulhar) e outra de 120m (pode e deve-se cair naquele poço gigante).

post-chapada11-cavalcante

No primeiro dia do ano, resolvemos mudar de ares e partimos pra Cavalcante – cidade a 100km de lá, com pouca estrutura turística, mas muita riqueza cultural.

Em Cavalcante tem uma Comunidade Quilombola (Kalungas) de 300 anos, onde vivem cerca de 700 pessoas em união e simplicidade. É nesse refúgio cultural que fica a maravilhosa Cachoeira de Santa Bárbara, com uma água azul turquesa única e cristais mágicos pra recarregar as energias pro novo ano!

post_chapada12-stabarbara

Do dia 1º ao dia 6 os Kalungas estavam em festa, já que era época da Folia de Reis, festa tradicional da cultura popular brasileira e motivo de união da comunidade. Decidimos ficar para ver os foliões cantarem as “curraleiras” (brincadeiras em forma de canção), batendo seus pandeiros de couro feito à mão, dançando noite a dentro e “girando” pelas casas da comunidade. Foi inesquecível!

post_grafite-chapada

ONDE FICAR: São Jorge é a vila mais charmosa da Chapada, vale curtir a simplicidade do lugar.

ONDE SE HOSPEDAR: Pousada Baguá, Pousada das Flores, Camping do Pedu e Tiguá.

ONDE COMER: Em São Jorge coma na Pizzaria Lua de São Jorge (pizza a lenha crocante), na Santo Cerrado Risoteria Café (ambiente lindo e risotos ótimos!), no Restaurante da Nenzinha (PF maravilhoso!). Na estrada entre Alto Paraíso e São Jorge tem o famoso Rancho do Waldomiro com comidas típicas imperdíveis e cachaça e licores artesanais (ele é uma figura!). Em Cavalcante vale ir no Encantos de Pizza (parece que o pessoal do cerrado sabe fazer pizza!) e, claro, os restaurantes kalungas de comida caseira feita com muito amor!

LUGAR IMPERDÍVEL: definitivamente a Cachoeira do Segredo.

DICA DOS LOCAIS: A melhor época do ano para visitar é entre abril e junho, pois na seca as cachoeiras ficam translúcidas e também por que não está tão cheio quanto em julho (quando rola o Festival de Cultura, com apresentações indígenas) e durante o verão.

Existem mil Chapadas dentro da Chapada dos Veadeiros e 10 dias não foram o suficiente para conhecer toda a beleza do cerrado. Teremos que voltar! :)

minibio_meninas-cantao_mari_140903

selo_post_capa-limao

Há algum tempo atrás comecei a prestar mais atenção na minha saúde e, principalmente, na maldita sinusite que não larga do meu pé. Nessa busca vou coletando uma dica aqui, outra ali e assim sigo na tentativa de um equilíbrio mais humano na minha rotina.

Foi então que resolvi olhar para uma prática que atualmente se tornou conhecida por seu potencial emagrecedor, mas na verdade, é muito mais que isso: água morna com limão, todos os dias em jejum.

É, eu sei, água morna e verão não são assim tão parceiros, mas eu explico a necessidade desse detalhe: para processar água gelada o organismo precisa de muito mais energia, afinal, por dentro somos uma quentura só! Por isso, se for gelado o efeito medicinal da fruta acaba se perdendo. Então, se for muito radical beber água de chá, vale tentar com aquela em temperatura ambiente.

O limão é reconhecido pelo seu poder de cura, estimulador do sistema imunológico e grande aliado no processo digestivo. A importância de tomar em jejum é porque assim o efeito de liberação das toxinas (detox) atua com mais firmeza. Não vale colocar açúcar ou adoçante, hein?

Apesar de bem ácido, quando o suco de limão entra em contato com o organismo e é metabolizado ele se torna alcalino o que, basicamente, ajuda a estabilizar o ph (acidez) do sangue, deixando seu corpitcho reciclado e cheio de alegria!

Existem outros diagnósticos que também indicam que essa prática ajuda com manchas na pela, melhora o humor e a reduzir a produção de muco. Eu experimentei e posso dizer que, de verdade, o que sinto é uma boa dose de energia nascer logo de manhãzinha… A receitinha é simples: pra cada copo de água (150 – 200ml) esprema o suco de meio limão e voilá!

Que tal experimentar algo diferente nesse começo de ano?

minibio_outros-colabs_aninha_141015

tags:

VER MAIS